Além do pediatra, a ortopediatria também se preocupa com a dieta dos bebês e das crianças, pois a dieta influencia diretamente na saúde física e bucal dos pequenos. 

A cárie, famosa na primeira infância, não é único problema observado pelos dentistas, as aftas, por exemplo, podem estar associadas à alimentação ácida e até anorexia. 

Dietas ricas em carboidratos fermentáveis ( principalmente os “pegajosos” e “pastosos”) influenciam não apenas no surgimento de cáries, como também em todo desenvolvimento estomatognático. Ou seja, influencia no crescimento dos ossos do crânio, musculatura, articulações, respiração, fonação e equilíbrio funcional!

Um dos principais estímulos que promove o desenvolvimento físico são os alimentos mais sólidos e fibrosos – trabalhando como uma “fisioterapia” para o crescimento facial da criança.

Os hábitos são desenvolvidos e o senso do paladar moldado com o tempo

Instrua os pais a não desistiram na primeira recusa da criança! Coloque alternativas, como mudar o método de preparo, de apresentação dos alimentos, etc.

Doces e guloseimas devem ser consumidos em horários estratégicos, sempre depois da refeição principal, como uma sobremesa, e não devem estar à vontade da criança.

9 coisas que você precisa indicar para as mães no período de lactação:

1 – Se possível, dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou quaisquer outros alimentos;

2 – A partir dos 6 meses, introduzir de maneira lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os 2 anos ou mais;

3 – Após os 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes). Três vezes ao dia, se a criança receber leite materno, e cinco vezes ao dia, se estiver desmamada;

4 – A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida com colher. Começar com consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente, aumentar a consistência até chegar ao ponto da alimentação da família;

5 – Oferecer à criança diferentes alimentos no decorrer do dia. Uma alimentação variada é também uma alimentação colorida;

6 – Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições;

7 – Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação;

8 – Cuidar da higiene no preparo e no manuseio dos alimentos e garantir  armazenamento e conservação adequados;

9 – Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo suas refeições habituais e os alimentos preferidos, respeitando sua aceitação. 


Gostou do tema? Deixe sua opinião nos comentários!


Saiba mais sobre as consultorias de marketing da DMA pelo e-mail contato@dmagencia.com
DMA – Dental Marketing Agency ®