O diagnóstico facial na ortodontia é responsável por nortear nosso planejamento ortodôntico. Por ele conhecemos qual o melhor caminho diante de cada caso e qual o mais assertivo ao seu paciente. Aplicamos esse elemento desde o tratamento interceptativo até o corretivo cirúrgico.

Sabemos que a condução de um planejamento ortodôntico deve estar relacionada à posição dentária e face de cada indivíduo. No entanto, no início do século XX, grande parte das pesquisas se preocupava somente com a posição dos dentes em relação às suas bases ósseas.

Quando falamos de avaliação de face o assunto vai muito além, ou melhor dizendo, tem um outro sentido sobre padrão de beleza e harmonia de um rosto. Pois esse motivo, tem caráter subjetivo e, portanto, bastante pessoal. É essencial saber que uma face harmoniosa não é necessariamente agradável. O sentido das análises faciais é complementar aos demais itens de diagnóstico e define limites importantes.

A cefalometria radiográfica está consagrada como um exame complementar de fundamental importância para a avaliação das condições dentoesqueléticas; e o estudo das relações tegumentares da face com os perfis: ósseo e dentário, vem agregar nessa mesma avaliação dentoesquelética.

Métodos de avaliação cefalométrica do tecido mole

Vários estudos realizados tiveram como propósito desenvolver medidas que quantificassem a estética facial, para que esses valores auxiliassem no diagnóstico e no plano de tratamento das maloclusões.

Outra medida usada para estudar o tecido mole é o ângulo de convexidade; este ângulo é formado pelo tecido mole da glabela, subnasal e tecido mole do pogônio. De acordo com as disposições das linhas, teremos três perfis diferentes: reto – em pacientes Classe I; côncavo – em pacientes Classe II; e convexo – em pacientes Classe III.
Nesta análise, utilizamos medidas para avaliação em vista frontal e em vista lateral. Dentre elas temos: avaliação dos lábios, análise do sorriso, espaço interlabial, projeção nasal, ângulo nasolabial, entre outros.

O estudo para diagnóstico facial nos proporciona algumas respostas

Função respiratória: conseguimos saber, pela face, se o paciente tem uma respiração oral ou nasal. E esse item é muito importante para conduzir o tratamento.

Função mastigatória: sabemos se o paciente possui algum hábito de mastigação desequilibrada, como mastigar unilateralmente e/ou hábitos deletérios, como sucção digital e onicofagia, que interferem diretamente nessa função.

Critério para tratamento com ou sem extrações: identificamos se extrações típicas serão aceitas pela face ou não.

Resposta muscular frente a determinada biomecânica: podemos ter o conhecimento se o paciente apresenta função muscular alterada, e consequente equilíbrio de forças frente a alguma biomecânica. Exemplo: lábio curto ou evertidos.

Alterações posturais: percebemos se o paciente possui alterações em funções, como: deglutição e respiração por posição de cabeça e pescoço.

Presença de hábitos e parafunção: identificar hábitos deletérios ou parafuncionais. Por exemplo: apegamento, bruxismo, onicofagia, sucção digital, entre outros.

Discrepâncias dentoesqueléticas: avaliamos se a sua estrutura dentoesquelética tem harmonia. Afinal, este é o arcabouço da face.

Desarmonias de bases ósseas: se há alterações entre os terços faciais e assim auxiliar na terapia necessária.

Por isso, eu reforço, todos nós ortodontistas precisamos nos atentar ao diagnóstico facial que é tão importante para um tratamento mais harmonioso. Aplicar esta técnica é enriquecer nosso planejamento ortodôntico, além, é claro, de proporcionar ao seu paciente satisfação garantida.

Saiba mais sobre as consultorias de marketing da DMA pelo e-mail contato@dmagencia.com
DMA – Dental Marketing Agency ®